Amares – Denúncia de maus-tratos na empresa

Posted: 11 Abril, 2006 in Portugal

Funcionária suspensa queixa-se de actos ilegais em fábrica de Amares

Intimidação, maus-tratos psicológicos e pressão laboral são relatos que uma funcionária denuncia serem “frequentes” na empresa Intipor (ex Calida), sedeada em Figueiredo, Amares. O último episódio teve lugar no dia 15 de Março, quando Sandra Magalhães foi suspensa da empresa e lhe foi instaurado um processo disciplinar.
Sandra Magalhães relata uma série de actos pretensamente ilegais e atropelos aos direitos dos trabalhadores da empresa, apontando o dedo ao empresário Mário Gonçalves. Fala de referências menos abonatórias às trabalhadoras e alegadas pressões psicológicas para aumentar os níveis de produção, para além de ‘impropérios’ através da instalação sonora na empresa.

O processo de suspensão da empresa teve lugar no passado dia 15 de Março, após um conflito em torno da utilização do tempo gasto na casa-de-banho, por seis funcionárias. O empresário não terá gostado da situação e – segundo relato de Sandra Magalhães – terá ido “à instalação sonora da empresa e disse que as casas de banho passavam a estar fechadas”.
De imediato, Sandra Magalhães e a sua colega – “a Marisete” – dirigiram-se ao patrão e retorquiram: “o senhor não pode fechar as casas de banho”. Acto contínuo, o empresário ordenou que largassem o trabalho e fossem ao escritório. E terá acrescentado que eram “as pestes” dentro da empresa.
No escritório, perante as duas chefes, Mário Gonçalves – que, contactado pelo Terras do Homem, recusou prestar quaisquer comentários sobre o assunto – terá mostrado a ‘fraca’ produção das funcionárias e ordenado a suspensão.

Inspecção do trabalho

Insatisfeita com o sucedido, a funcionária dirigiu-se, no dia seguinte, à Inspecção do Trabalho (IT). Como não existia qualquer prova documental de que estaria suspensa, foi aconselhada a apresentar-se ao trabalho no dia seguinte.
Assim, na sexta-feira, dia 17 de Março, voltou a dirigir-se às instalações da empresa. Foi, então, “impedida” de retomar funções, sob o argumento de que estava suspensa. Exigiu, então, uma declaração nesse sentido, mas foi-lhe negada.
Pressionada, entrou em “crise nervosa” e dirigiu-se para o carro, estacionado no parque de estacionamento da empresa. A crise nervosa em que se encontrava impediu-a de sair do local. Teve que pedir socorro à família e acabou por ser removida do local na ambulância da Cruz Vermelha de Amares.
“Não houve uma única pessoa da empresa que me auxiliasse”, recorda Sandra Magalhães, que promete levar o caso “até às últimas consequências”. E promete novas revelações.

in Terras do Homem

Comentários
  1. Manuel Araújo diz:

    Direitos de Autor

    Todos os textos, fotos, ilustrações e outros elementos contidos neste blog estão protegidos pela lei, ao abrigo do Código dos Direitos de Autor e dos Direitos Conexos, de acordo com a informação do cabeçalho desta página.

    É expressamente interdita a cópia, reprodução e difusão dos textos, fotos, ilustrações e outros elementos contidos neste site sem autorização expressa do autor, quaisquer que sejam os meios para tal utilizados. A autorização para uso de qualquer um deste selementos requer sempre a sua identificação e proveniência.

    É expressamente interdita a utilização comercial dos textos, fotos, ilustrações e outros elementos contidos neste blog.

    Ao autor reserva-se o direito de proceder judicialmente contra os autores de qualquer cópia, reprodução, difusão ou exploração comercial não autorizadas dos textos, fotos, ilustrações e outros elementos contidos nesta edição electrónica.

  2. silverio diz:

    Como nos brasileiros podemos combater as pessoas que ganham em nossas horas pois eles exploram as pessoas ganhando em nossos salarios e pagam pouco.. muitas das vezes sao brasileiros msm q faz esse tipo de exploracao..

  3. marcio diz:

    A minha esposa sofreu algo parecido mas foi um pouco pior porque juntou um bando de gente safada do tipo supervisores 5 no total e mais um gerente para impor a ela uma justa causa e alem de sofrer as pressoes piscologicas ainda sofreu todo tipo de assedio moral e mudavam ela constantemente de local e enfim no mundo de call center é assim que vem funcionando.

  4. lurdes carapinha diz:

    Susana Lira do Departamento de recursos Humanos da Cerealis trata mal as colaboradoras insulta-as e sobrecarrega-as com trabalho e a Administração da Empresa não faz nada

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s