Temporal…

Posted: 18 Novembro, 2006 in Portugal

É Sábado, fim de tarde… chove forte, o vento uiva lá fora, há relâmpagos e trovões. Gosto de os ver e ouvir…

É o prenúncio de um fim de semana em casa, o qual vou tentar aproveitar para por a escrita e as ideias em dia… e tentar ouvir e gravar para formato digital, uns discos de vinil, que guardo há muito tempo e sempre tenho prometido que —”vai ser no próximo fim de semana”. São discos sentimentalmente muito valiosos. Vamos a ver, se vai ser este, o tal fim de semana… pois, tenho prometido e falhado a mim mesmo, o que não é grave, porque não causa prejuízos, nem danos a ninguém.

Vem isto a propósito, da nova realidade, que é voltar a aprender a viver em Portugal… e de entender a actual situação, das desigualdades, injustiças, mentiras e fraudes. Em suma, do —“safe-se quem puder”.

Em 1980 deixei Portugal, um Portugal em mudanças, um Portugal fervilhando, em evolução constante, graças à Revolução de Abril de 74 e ao corte com o passado retrógrado, de guerras injustas, castrador das ideias, do pensamento e da acção.

Foram mais de duas décadas, a viver e a labutar no seio de culturas com hábitos diferentes dos nossos, o que não foi muito difícil, porque está nos genes dos portugueses, o saber adaptar-se a novas situações e arranjar soluções para todo o tipo de problemas que os enfrenta.

Durante esse tempo, deu para aprender e diferenciar métodos e organização de vários sectores produtivos e também das mentalidades dirigentes… e da exigência do cumprimento do pré-estabelecido; sejam eles contratos, prazos ou horários.

Não sou economista, nem “doutor” em qualquer área, mas sei, que se o operário não se sentir motivado, não rende e é escusado ser pressionado ou aumentar-lhe a carga horária, para produzir mais, pois um funcionário descontente e desmotivado, não produz qualidade nem quantidade.

O segredo dessa motivação e do “desenrasca”, do português “lá fora”, está num ordenado justo, um posto de trabalho seguro e organizado, formação adequada, respeito e um ambiente agradável.

Aqui em Portugal, esse cenário será raro e pelo contrário, vivemos um momento de crise, desemprego e de exclusão social, onde o operário é sempre o “bombo da festa” que paga todos os impostos sem refilar. Todos deveriam contribuir e também pagar, porque nem todos pagam e se pagam, pagam pouco.
Também a fiscalização económica em geral é deficiente, uma vez que existem grandes empresas que fogem aos impostos e até utilizam trabalho ilegal não declarado. O trabalhador é descartável, como sendo uma mera mercadoria de supermercado.

Senhores governantes e empresários, onde está a vontade, imaginação e o “desenrasca”, que nos está nos genes e as asas que nos foram dadas em Abril de 74, para nos tirar deste buraco? Façam um esforço e lembrem-se que somos bons, somos os melhores, mas lembrem-se também que — “não é com vinagre que se apanham moscas”.

É noite e a chuva e os trovões já não se fazem ouvir, desligo a música… e vou ver na TV o Braga – Benfica. Ganhe quem ganhar, não ficarei satisfeito, é um jogo “fratricida”.

Manuel Araújo

Comentários
  1. Anonymous diz:

    Gostei da crítica a qual subscrevo, mas não gostei do resultado do Braga – Benfica.

    Benfica, Benfica, enquanto não te libertares do treinador sr Santos, irás ser humilhado muitas mais vezes.

    Raul Almeida

    R.I. EUA

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s