José Afonso morreu há 20 anos

Posted: 23 Fevereiro, 2007 in Barroso, Cid, emigração, Espectáculo, Liberdade, Literatura, Música, Política, Portugal

Por ocasião dos 20 anos da morte de José Afonso, realizam-se hoje várias iniciativas, que decorrem em todo o país, desde colóquios a exposições, passando por vários espectáculos evocando o autor de “Grândola, Vila Morena”, música que foi a senha da revolução de 25 de Abril de 1974, base da queda da ditadura.

A 23 de Fevereiro de 1987, morreu o músico e cantor José Afonso, com 57 anos, após lhe ter sido diagnosticada em 1983, esclerose múltipla, da qual viria a falecer em Setúbal, na madrugada de 23 de Fevereiro de 1987.

Sobre a efeméride, Pedro Barroso, amigo pessoal e companheiro das lides das cantigas, enviou-me hoje esta bonita e singela homenagem:

Zeca sempre ao fim de 20 anos

Faz hoje 20 anos que o homem partiu deixando-nos o mundo. Ficámos mais pobres, mais órfãos do saber e do viver.
Hoje, reflectindo o espanto de tantas mortes progressivamente convividas, pergunto-me se não haveria mais do que o cantor no nosso peito. Claro que havia. O Homem, o Filósofo, o Poeta, o Amigo.
Havia seguramente o seu ar desleixado e non chalant, o seu sorriso maroto por detrás dos óculos grossos, a sua atenção desatenta, as suas gaffes proverbiais, a sua indiferença perante o bem parecer, a sua permanente preocupação pedagógica, a sua reflexão inteligente, imediata.
Eram e foram também vinte anos a mais que acumulámos em raiva comedida e erros e saudade. Saudade que passa também por nós próprios, companheiros que cantámos com ele por esses palcos fora talvez algumas horas de sol e ré ao som da chula da Póvoa, que pelo menos essa, todos nós sabíamos.
– Oh Pedro, tu que tens esse boieiro todo, ataca aí, que eu ando com pigarro… – dizia-me ele com humildade. Disparate! Alguém queria saber de mim? Era ele o desejado, a figura maior do nosso acreditar.
Zeca e outros, era assim que se anunciava:
Por vezes, mesmo sem ele próprio saber que tinha sido anunciada a sua presença naquele sitio e lugar.
E nós companheiros de palco, éramos os outros. Pacificamente e sem inveja. Com um orgulho imenso de o sermos.
Pois seremos nós, hoje, os outros todos, que lembramos. O povo que deixaste.
Mas o exemplo universal do homem probo e bom, do homem que nada quis para ele e mudou a paisagem sonora de tudo o que crescemos, de tudo o que aprendemos, esse exemplo fica.
Vinte anos já? Zeca?
Foi ontem que morremos todos um pouco contigo.
Se não acreditas, vê só até onde isto já veio parar. Ouve e vê.
E morramos outra vez de susto, neste choupal imenso de agonia e cupidez.
Deixa-me sonhar.
A catedral está ainda toda por fazer.

Pedro Barroso

<embed src="http://www.anos60.com/portugal/Fausto/num_sonho_de_aguas_claras.wma" align="baseline" border="5" width="100" height="100" autostart="on" loop="30">

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s