Foi com surpresa que tomamos conhecimento pela comunicação social, do pensamento da presidência da Câmara de Amares, o qual rejeita o teor do “abaixo-assinado”, que visa a resolução do problema dos cães abandonados no Concelho de Amares. [VER]

O presidente da Câmara afirmou, que “estão a ser ultimados alguns preparativos que podem dentro em breve dar luz verde a este projecto”, e sem avançar datas, fala uma vez mais, na construção do “canil/gatil intermunicipal”, que não é mais, que a repetição do que vem afirmado desde 2002, o que lamentamos.

Não pomos em causa as boas intenções da Câmara Municipal para resolver o problema, acreditamos até nos apertos financeiros, mas achamos ser tempo, de agir e fazer algo pelos animais e pela saúde pública, antes que seja tarde. Um dos subscritores da petição afirma, que já tem “medo de ir ao café à noite em Ferreiros”.

Apelamos às pessoas que baixem o documento e o assinem ou se preferirem, assinem a petição online, pois, mesmo sabendo à partida da sua rejeição, ele irá ser entregue no mês de Outubro na Câmara Municipal como previsto.

Apelamos também, e mais uma vez a todas as pessoas, decididas a lutar pela defesa dos animais, que pretendam colaborar na fundação da Associação dos Amigos dos Animais de Amares, que entrem em contacto connosco pelo email: canil@manuelaraujo.org.

Os Estatutos estão prontos e aguardam serem discutidos e aprovados.

Uma Associação juridicamente constituída é indispensável, para assim, legalmente podermos fazer vingar as nossas pretensões.

“O que é mais preocupante, não é o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, ou dos sem ética.

O que é  mais preocupante, é o silêncio dos que são bons…”

Martin Luther King

Para que conste e fique a saber que os animais tem direitos, no dia 27 de Janeiro de 1978 em Bruxelas, foi proclamada em assembleia da UNESCO, a Declaração Universal dos Direitos dos Animais, a qual a seguir transcrevo:

Declaração Universal dos Direitos dos Animais

Proclamada em assembleia da UNESCO, em Bruxelas, no dia 27 de Janeiro de 1978
1 – Todos os animais têm o mesmo direito à vida.
2 – Todos os animais têm direito ao respeito e à protecção do homem.
3 – Nenhum animal deve ser maltratado.
4 – Todos os animais selvagens têm o direito de viver livres no seu habitat.
5 – O animal que o homem escolher para companheiro não deve ser nunca ser abandonado.
6 – Nenhum animal deve ser usado em experiências que lhe causem dor.
7 – Todo acto que põe em risco a vida de um animal é um crime contra a vida.
8 – A poluição e a destruição do meio ambiente são considerados crimes contra os animais.
9 – Os direitos dos animais devem ser defendidos por lei.
10 – O homem deve ser educado desde a infância para observar, respeitar e compreender os animais.Preâmbulo:

Considerando que todo o animal possui direitos;

Considerando que o desconhecimento e o desprezo desses direitos têm levado e continuam a levar o homem a cometer crimes contra os animais e contra a natureza;

Considerando que o reconhecimento pela espécie humana do direito à existência das outras espécies animais constitui o fundamento da coexistência das outras espécies no mundo;

Considerando que os genocídios são perpetrados pelo homem e há o perigo de continuar a perpetrar outros;

Considerando que o respeito dos homens pelos animais está ligado ao respeito dos homens pelo seu semelhante;

Considerando que a educação deve ensinar desde a infância a observar, a compreender, a respeitar e a amar os animais,

Proclama-se o seguinte

Artigo 1º
Todos os animais nascem iguais perante a vida e têm os mesmos direitos à existência.

Artigo 2º
1.Todo o animal tem o direito a ser respeitado.
2.O homem, como espécie animal, não pode exterminar os outros animais ou explorá-los violando esse direito; tem o dever de pôr os seus conhecimentos ao serviço dos animais
3.Todo o animal tem o direito à atenção, aos cuidados e à protecção do homem.

Artigo 3º
1.Nenhum animal será submetido nem a maus tratos nem a actos cruéis.
2.Se for necessário matar um animal, ele deve de ser morto instantaneamente, sem dor e de modo a não provocar-lhe angústia.

Artigo 4º
1.Todo o animal pertencente a uma espécie selvagem tem o direito de viver livre no seu próprio ambiente natural, terrestre, aéreo ou aquático e tem o direito de se reproduzir.
2.toda a privação de liberdade, mesmo que tenha fins educativos, é contrária a este direito.

Artigo 5º
1.Todo o animal pertencente a uma espécie que viva tradicionalmente no meio ambiente do homem tem o direito de viver e de crescer ao ritmo e nas condições de vida e de liberdade que são próprias da sua espécie.
2.Toda a modificação deste ritmo ou destas condições que forem impostas pelo homem com fins mercantis é contrária a este direito.

Artigo 6º
1.Todo o animal que o homem escolheu para seu companheiro tem direito a uma duração de vida conforme a sua longevidade natural.
2.O abandono de um animal é um acto cruel e degradante.

Artigo 7º
Todo o animal de trabalho tem direito a uma limitação razoável de duração e de intensidade de trabalho, a uma alimentação reparadora e ao repouso.

Artigo 8º
1.A experimentação animal que implique sofrimento físico ou psicológico é incompatível com os direitos do animal, quer se trate de uma experiência médica, científica, comercial ou qualquer que seja a forma de experimentação.
2.As técnicas de substituição devem de ser utilizadas e desenvolvidas.

Artigo 9º
Quando o animal é criado para alimentação, ele deve de ser alimentado, alojado, transportado e morto sem que disso resulte para ele nem ansiedade nem dor.

Artigo 10º
1.Nenhum animal deve de ser explorado para divertimento do homem.
2.As exibições de animais e os espectáculos que utilizem animais são incompatíveis com a dignidade do animal.

Artigo 11º
Todo o acto que implique a morte de um animal sem necessidade é um biocídio, isto é um crime contra a vida.

Artigo 12º
1.Todo o acto que implique a morte de grande um número de animais selvagens é um genocídio, isto é, um crime contra a espécie.
2.A poluição e a destruição do ambiente natural conduzem ao genocídio.

Artigo 13º
1.O animal morto deve de ser tratado com respeito.
2.As cenas de violência de que os animais são vítimas devem de ser interditas no cinema e na televisão, salvo se elas tiverem por fim demonstrar um atentado aos direitos do animal.

Artigo 14º
1.Os organismos de protecção e de salvaguarda dos animais devem estar representados a nível governamental.
2.Os direitos do animal devem ser defendidos pela lei como os direitos do homem.

Ainda que os teus passos pareçam inúteis, vai abrindo caminhos, como a água que desce cantando da montanha. Outros te seguirão…

Saint-Exupéry

“O que é mais preocupante, não é o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, ou dos sem ética.

O que é  mais preocupante, é o silêncio dos que são bons…”

Martin Luther King

Comentários
  1. Salomé diz:

    Como é que o ser humano se intitula de inteligente, bravo, Sábio, sensato se apenas se desenvolve na tecnologia e nas ciências? A moral e a ética são desprezadas, o respeito pelos seres vivos é denegrido. Nesse aspecto nada nos diferencia dos primatas ou dos povos que dizem que não são civilizados por terem atitudes rudes, selvagens. A raça humana é uma vergonha, é egoísta, individualista, retrógada, nunca dá nada sem esperar por receber em troca. Não tem amor para dar ao próximo, nada faz a não ser a pensar no seu próprio bem-estar. E depois temos uma pequena percentagem de pessoas que tentam lutar por uma causa e melhorar este mundo em que vivemos. Resta-nos a esperança, fé e não baixar os braços.

  2. Obrigado cara Salomé

    Recebi de um amigo este poema que quero partilhar convosco:

    SE O HOMEM PENSASSE COMO OS ANIMAIS

    Se o homem pensasse como o pássaro, festejaria cada amanhecer com uma linda canção.
    Se o homem pensasse como o cavalo, ultrapassaria os obstáculos com classe, firmeza e determinação.
    Se o homem pensasse como o cão, faria do amor uma constante troca de carinho, lealdade e fidelidade.
    Se o homem pensasse como o gato, teria calma e equilíbrio em qualquer dificuldade.
    Se o homem pensasse como a abelha, constataria que nada se constrói sozinho.
    Se o homem pensasse como a formiga, veria que trabalho e sucesso trilham o mesmo caminho.
    Se o homem pensasse como a baleia, veria a importância do poder da solidariedade.
    Se o homem tivesse a pureza e a simplicidade de ser dos animais, a paz mundial deixaria de ser um sonho e seria uma realidade.

    Com uma salva de bacamartadas,

    jpMourão

    Assino por baixo

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s